Bartira Betini

Bartira Betini é jornalista formada pela Cásper Líbero em 1996 e passagens por veículos como TV Globo, Diario de São Paulo e Grupo Estado. É mãe da Sofia de 6 anos e desde a gravidez trabalha como repórter free lance escrevendo sobre educação, comportamento e variedades, entre outros temas. “Ser mãe é um universo único que me coloca em contato com situações inusitadas. Escrever sobre temas do dia a dia infantil é algo prazeroso porque aprendo com minha pequena e posso colocar em prática, ajudando outras pessoas”.

Algumas dicas para identificar e lidar com o choro do bebe

Não são apenas as cólicas que deixam os bebes transtornados e os pais também, que não sabem o que fazer com tanto choro! Ao contrário do que se imagina, recém-nascidos não se sentem confortáveis tendo os movimentos livres. Eles ainda não controlam braços e pernas, e os próprios gestos involuntários podem assustá-los e por isso muitos choros constantemente.

Por isso, uma dica interessante, é enrolar o bebê com uma manta de tecido leve, nas primeiras semanas de vida, deixando o rostinho livre, mas os braços e corpinho mais retos. Essa posição remete o bebê ao ventre da mãe e ele fica mais calmo e confortável. E evitará que ele chore.

É possível que no carrinho ou bebê-conforto, o bebê sinta-se melhor que no berço e outra dica importante: não o deixe sozinho pelo menos no primeiro mês de vida, pois ele ainda não consegue erguer a cabecinha e pode sufocar, ainda mais se começar a chorar por não estar adaptado a posição colocada. Na hora de dormir, o mais seguro é deitá-lo de costas. Se ele chorar muito, pois alguns bebês não gostam dessa posição, e não conseguir dormir, tente de bruços mas fique ao lado, acompanhando.

Inspiração para inúmeros estudos e pesquisas, o choro do bebê é atribuído por alguns especialistas como uma reação ao ambiente. Um dos defensores dessa tese é o pediatra Harvey Karp, professor da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e conhecido no Brasil pelo livro “O bebê mais feliz do pedaço” (Editora Anasoft). Os adeptos dessa corrente propõem a “cura do choro pelo aconchego”, que consiste em proporcionar ao bebê estímulos que o lembrem da vida uterina, ajudando-o a fazer uma transição suave para sua nova realidade.

Pode parecer estranho, mas possivelmente seu bebê vai adorar o embalo do secador de cabelos ou do aspirador de pó. Esse ruído de “shhhhhhhh” forte remete ao som do sangue circulando pelo corpo da mãe, que o cercou durante toda a gestação. Se preferir, experimente fazer você mesma esse som constante e forte perto do ouvido do bebê por alguns instantes e confira o efeito.

“Dá resultado e acalma demais a criança. Felipe chegou a chorar 12 horas seguidas, eu já estava desestruturada e sem saber o que fazer. Corri ler alguns artigos e ao descobrir isso, comecei a reproduzir o som, e ele se acalmou”, conta Natália, mãe de Felipe, com 8 meses.

 

vitor.romera@myagencia.com.br'

Bartira Betini

Bartira Betini é jornalista formada pela Cásper Líbero em 1996 e passagens por veículos como TV Globo, Diario de São Paulo e Grupo Estado. É mãe da Sofia de 6 anos e desde a gravidez trabalha como repórter free lance escrevendo sobre educação, comportamento e variedades, entre outros temas. “Ser mãe é um universo único que me coloca em contato com situações inusitadas. Escrever sobre temas do dia a dia infantil é algo prazeroso porque aprendo com minha pequena e posso colocar em prática, ajudando outras pessoas”.