Carin Primavesi

Carin Primavesi é psicopedagoga e psicanalista e trabalha com crianças de um a cinco anos em educação infantil e de cinco anos a adultos no Kumon. Autora do livro Déficit de Atenção tem Solução, ela aborda os mais diversos assuntos relacionados à psicologia e comportamento.

Rotina para o bebê

Enquanto adultos não gostam de rotina, um recém-nascido precisa de rotina até que seu sistema nervoso central esteja desenvolvido, o que ocorre primordialmente por volta dos seis anos. A falta de rotina confunde o cérebro ainda em formação do bebê.

Precisa-se rotina:

1. Na alimentação, com regularidade de horário, no mesmo lugar, no mesmo prato, na mesma cadeira. Não uma vez na mesa, outra no sofá em frente à TV.

2. Para o dormir, ter o mesmo ritual, olhar o mesmo livro, ouvir as mesmas cantigas,. Não se deve ter pena de tirá-lo de uma brincadeira para ir dormir. Avisar 5 minutos antes que logo será a hora de ir para a cama, isso o prepara emocionalmente. Atrasar a hora de dormir pode desorganizar seu relógio biológico, seu psiquismo e o andamento familiar.

3. Para o brincar e guardar os brinquedos depois. O adulto pode ajudar, mas a criança precisa saber que a brincadeira só acaba com cada brinquedo em seu lugar. Também aprende a organizar as coisas. A criança precisa aprender a brincar sozinha e também com outras crianças.

4. Para o passeio diário e o tempo de ficar com a família.

5. Para a hora do banho.

Sabendo de antemão o que vai acontecer em cada período do dia:

1. Gera-se tranquilidade para a criança e para a cuidadora.

2. Ajuda-se a criança adquirir confiança e ser perseverante.

3. A criança prende a dividir o tempo, desenvolvendo senso de organização.

4. Estimula-se sua autonomia.

5. Forma-se autoestima.

6. Geram-se referências que ensinam o que se pode ou não.

7. Organizam-se as estrutura psíquica e física da criança.

8. Prepara-se a criança para ter uma boa aprendizagem.

A rotina deve ser o habitual, mas precisa-se ter flexibilidade e entender algumas  mudanças, construindo tolerância e aprendendo a lidar com a frustração. Vai-se à casa da avó, aparecem visitas e a rotina acaba se alterando um pouco.

A falta de rotina gera confusão, inseguranças, dúvidas, desorientação, desconfianças, medo, afeta a aprendizagem e a criança capta isso como falta de afeto e não ser valorizada.

Ritmo e previsibilidade das ações cotidianas são fundamentais para o desenvolvimento infantil. Lidar com surpresas é difícil nessa faixa etária. A forma como a vida está organizada é importante para um crescimento tranquilo e feliz. As repetições ajudam a criança a lidar com o desconhecido até ficar conhecido. Rotina acalma e diminui possível angústia e ansiedade inclusive da mãe. Proporciona um ambiente para a criança poder ser feliz.

 

erikson.bezerra@myagencia.com.br'

Carin Primavesi

Carin Primavesi é psicopedagoga e psicanalista e trabalha com crianças de um a cinco anos em educação infantil e de cinco anos a adultos no Kumon. Autora do livro Déficit de Atenção tem Solução, ela aborda os mais diversos assuntos relacionados à psicologia e comportamento.