Bartira Betini

Bartira Betini é jornalista formada pela Cásper Líbero em 1996 e passagens por veículos como TV Globo, Diario de São Paulo e Grupo Estado. É mãe da Sofia de 6 anos e desde a gravidez trabalha como repórter free lance escrevendo sobre educação, comportamento e variedades, entre outros temas. “Ser mãe é um universo único que me coloca em contato com situações inusitadas. Escrever sobre temas do dia a dia infantil é algo prazeroso porque aprendo com minha pequena e posso colocar em prática, ajudando outras pessoas”.

A nova relação professores e alunos

As relações foram mudando com o passar dos anos e está cada dia mais próxima a interação professor e aluno e isso torna-se um ganho para todos e ressalta a importância de se comemorar o Dia dos Professores. Não apenas com a entrega de presentes, mas com o reconhecimento do papel do educador e do aluno, intensificando o trabalho em parceria, com dedicação e princípios.

“Aproveitando a data comemorativa de 15 de outubro, o professor poderá sensibilizar seus alunos, reforçando sobre quem de fato ele é. Poderá falar um pouco de si, até de sua vida, de sua família, de seus amigos, mas que acima de tudo ama sua profissão e quer ser amado e respeitado pelos seus alunos, pois muitas vezes além de professor exerce a função de pai e mãe dentro da sala de aula”, sugere Cristiane Conte, coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental I, do Colégio Singular.

A data celebrada todo dia 15 de outubro foi sugerida pelo educador Salomão Becker em 1947. Becker dedicou 49 anos de sua vida ao magistério e lecionou em várias escolas de ensino fundamental e médio na cidade de São Paulo.

Depois de conversar com três colegas de trabalho no Ginásio Caetano de Campos, surgiu a ideia, que foi colocada em prática com uma grande confraternização por escolas paulistas, mas a data só oficializada nacionalmente como feriado em outubro de 1963, pelo Decreto Federal 52.682.

A escola sempre foi considerada pela sociedade como um lugar para o ensino-aprendizagem de valores. “Por isso não podemos limitar a interação professor-aluno no aspecto da transmissão de conhecimento. A relação deve ser de confiança, afetividade e respeito, cabendo ao professor fortalecer as bases críticas e morais do educando para o seu crescimento interno”, diz Sandra Giovanetti,  professora de quartos e quintos anos do Ensino Fundamental I da escola Singular Júnior.

O estreitamento entre essas relações favorece a troca de ideias e experiências, que pode ser relevante na qualidade dessa relação. “Saber ouvir o aluno pode ser o primeiro passo para também ser ouvido. Interação com o aluno e troca de experiências durante as aulas. Acessibilidade ao professor. As relações não devem se limitar às paredes da sala de aula. Existem muitos espaços de aprendizagem na escola e fora dela”, sugere Sandra.

A aproximação entre alunos e professores em atividades comuns do dia-a-dia escolar também pode proporcionar bons momentos! Jogos de competição na quadra esportiva, por exemplo, podem diminuir o estresse e provocar muitos risos. Gincanas também podem favorecer o entrosamento entre todos.

vitor.romera@myagencia.com.br'

Bartira Betini

Bartira Betini é jornalista formada pela Cásper Líbero em 1996 e passagens por veículos como TV Globo, Diario de São Paulo e Grupo Estado. É mãe da Sofia de 6 anos e desde a gravidez trabalha como repórter free lance escrevendo sobre educação, comportamento e variedades, entre outros temas. “Ser mãe é um universo único que me coloca em contato com situações inusitadas. Escrever sobre temas do dia a dia infantil é algo prazeroso porque aprendo com minha pequena e posso colocar em prática, ajudando outras pessoas”.